Rádio Caxias

Notícias



CAXIAS DO SUL

Saúde 23/02/2021 | 16h50

Procura por atendimento de casos suspeitos de Covid-19 cresce 60% na UPA Central


Procura por atendimento de casos suspeitos de Covid-19 cresce 60% na UPA Central
Foto: Divulgação/ Prefeitura

A informação é alarmante e tem relação direta com o feriado de Carnaval, é o que garante a Secretaria Municipal da Saúde (SMS). O órgão ainda assinala que baixou a faixa etária diagnosticada com o coronavírus, que na maioria é formada por jovens. 

Além disso, as pessoas têm procurado inadvertidamente atendimento junto às Unidades de Pronto Atendimento do Municípo,  quando o ideal seria que a triagem ocorre nas Unidades Básicas de Saúde. Segundo a Secretaria, as UBSs oferecem menos risco de contágio e são igualmente capacitadas para realizar o diagnóstico e fazer os encaminhamentos necessários. 

Outra questão que merece destaque, neste contexto, são as enormes filas que têm se formado, tanto junto ao Hospital de Campanha, montado em frente à UPA Central, quanto na UPA Zona Norte. Essa situação, por conseguinte, leva também a um aumento no tempo de espera, que atualmente ultrapassa  três horas. 

A situação de crescimento da procura, que nesta segunda-feira (225) chegou a um aumento de 60% em relação às semanas anteriores, vem sendo observada pela SMS desde o Carnaval. No entanto, o quadro se agravou no último fim de semana, em razão do anúncio feito pelo Governo do Estado na sexta-feira (19), colocando Caxias do Sul em bandeira preta no Modelo de Distanciamento Controlado. 

Quem traz essa informação é o diretor da Rede Municipal de Urgência e Emergência da SMS, Fábio Baldisserotto. Ele acredita que a incerteza quanto ao funcionamento do comércio e de outros serviços no Município pode ter servido de estopim para que as pessoas procurassem atendimento, seja para conseguir atestado médico ou por motivos diversos. 

Com a grande procura, o tempo de espera, em alguns momentos, chega a quatro horas. E esta questão, segundo a SMS, não é fácil de sanar, pois o corpo médico é insuficiente para dar vazão à demanda, e uma vez que novas contratações encontram diversos empecilhos. 

Por essas razões, Fábio Baldisserotto pede a compreensão da população, e orienta que casos menos graves procurem atendimento médico junto às UBSs. 

 


Departamento de Jornalismo


CONFIRA O ÁUDIO








Em breve
Nenhum jogo no momento.