Rádio Caxias

Notícias



REGIÃO

Hélice 13/07/2019 | 10h11

Movimento do setor produtivo visa atrair talentos locais e expandir a matriz econômica da Serra


Movimento do setor produtivo visa atrair talentos locais e expandir a matriz econômica da Serra
Foto: Luís Henrique Bisol

O movimento chamado Hélice encerrou a primeira fase tendo engajado diversas empresas, entidades e instituições parceiras no desenvolvimento do programa. Nesta etapa, considerada um piloto, as empresas idealizadoras promoveram uma prospecção de startups em nível nacional que poderiam prestar serviços aos associados da Hélice. O grupo Randon, Marcopolo, Florense e a Soprano definiram o foco nas áreas de Recursos Humanos, marketing, indústria e logística. Estas seriam demandas comuns entre os empreendimentos participantes do coletivo. A seleção de startups acabou contando com 250 participantes. Entre elas foram escolhidas 12, que devem executar 13 projetos em companhias da Hélice.

A Hélice agora parte para a segunda fase de desenvolvimento. O grupo deve trabalhar para inserir mais empresas associadas. Se destaca que a iniciativa vai contar com o reforço da Universidade de Caxias do Sul (UCS) e da Metadados no quadro de idealizadoras. Além disso, é objetivo do movimento criar um equipamento de fomento às startups locais. Para estas e outras atividades, a Hélice busca a estruturação jurídica para se tornar um instituto, a ser liderado pelo executivo Thomas Job Antunes.

Dentre os benefícios que a futura instituição pode causar, Antunes destaca a criação de um ambiente atrativo aos talentos desenvolvidos na Serra Gaúcha. O executivo explica que, sem um quadro interessante, profissionais que podem gerar inovações na Região costumam migrar e gerar riquezas em outros locais. Comenta que o trabalho executado pela Hélice passa um aprendizado ao setor empresarial, que pode desenvolver uma nova cultura, buscando eficiência e retendo potenciais. Thomas Job Antunes expõe a crença de que a médio ou longo prazo a iniciativa proporcione uma diversificação da matriz econômica da Serra, que considera depender do Metalmecânico.

Na segunda fase da Hélice o objeto de trabalho vai seguir no contato entre as empresas tradicionais associadas a startups. A expectativa é que essas parcerias causem maior celeridade e competitividade aos serviços de todas as beneficiadas. Para que empreendimentos do tipo sejam atraídos à Serra Gaúcha, o coletivo divulga que pretende trabalhar um “ecossistema” favorável ao desenvolvimento destas colaborações.

 

 


Departamento de Jornalismo






Em breve
Nenhum jogo no momento.